Feeds:
Posts
Comentários

Tudo tem seu tempo

Eclesiastés 3    
1  Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

2  Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;
 
3  Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derrubar, e tempo de edificar;
 
4  Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar;
 
5  Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar;
  
6  Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora;

7
  Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;
 
8  Tempo de amar, e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.

Estas palavras são de Salomão, o rei considerado o homem mais sabio de todos os tempos segundo a Biblia.

Porque coloquei essas palavras aqui. Eu explico já.

Quando eu comecei a escrever o Cartas eu tinha bastante tempo livre e poucos projetos de maneira que havia sempre muito tempo para estar aqui, elaborando, pensando e escrevendo. Agora por exemplo já não tenho mais aquele tempo livre. Estou envolvida em muitos projetos, e tenho um enorme prazer neles de forma que estar aqui tem se tornado cada dia mais dificil, e tenho levado o cartas na barriga literalmente. E eu detesto fazer isso. Por isso decidi dar um tempo.

Adorei estar por aqui, e foi um tempo muito bom para mim. Não vou deixar de visitar alguns amigos, porque ler as cartas que escrevem tornou-se uma forma de lazer especial.  Acredito que no final do ano quando concluir alguns dos projetos eu volte e quem sabe com força total.

Desejo um tempo cheio de alegrias para todos, assim como tem sido para mim!

COMPULSÃO SEXUAL

Texto copiado do Blog Pscologia & Sexologia de Virgilio Nascimento

 A compulsão sexual é caracterizada por uma grande número de fantasias sexuais que ocupam a mente do indivíduo, deixando-o inquieto, e que o impede de fazer outras coisas de maneira dedicada, concentrada e coerente. Ele só “pensa naquilo” e têm fantasias sexuais durante todo o tempo e não consegue concentrar-se em outra coisa que não sejam estas fantasias. Normalmente, tais indivíduos não ficam só na fantasia, e a doença os leva aos comportamentos sexuais exagerados e, às vezes, perigosos. Considera-se que para determinar um diagnóstico de compulsão sexual, esse comportamento acima descrito deve durar pelo menos seis meses.

A diferença entre compulsão e obsessão está na necessidade repetitiva de realizar atos sexuais. A atividade sexual passa a dominar as atividades da vida diária da pessoa e acarreta prejuízos, ou seja, a pessoa perde o controle do impulso sexual, sente uma constante necessidade de buscar sexo (em muitos casos, não necessariamente com o coito) e vira dependente. A obsessão tem menor intensidade de ansiedade e traz menos conseqüências sociais. Em sexo, não há regras definidas de certo ou errado nem de muito ou pouco. Há pessoas que necessitam de sexo mais do que outras e não podem ser rotuladas de viciadas.

Não é pensar em sexo, mas sim, pensar de uma forma compulsiva, repetitiva, e que não consegue evitar. As mulheres são em menor número na compulsão sexual, mas não na compulsão por comida, álcool, drogas onde a porcentagem é maior.

O processo até a compulsão sexual geralmente não ocorre rápido. O impulso sexual quando demasiadamente reprimido, ressurge em subprodutos como a doença mental, compulsão sexual neurótica, e os desvios de conduta. O impulso sexual é o componente psicossomático do comportamento sexual, é o fluxo vital das energias sexuais. A sua manifestação pode sofrer influência externa, através da cultura, da educação, dos mitos do que é certo ou errado. O homem necessita equilibrar as forças do impulso sexual, conduzindo-o para formas de comportamento sexualmente aceita na sociedade.

Os prejuízos para o compulsivo sexual são muitos, tanto na esfera pessoal e social. Quando é descoberto o preconceito é grande, pois gera medo e ansiedade nas pessoas que convivem com o compulsivo. Desta forma ele é colocado de lado e repudiado pela sociedade. Na esfera pessoal o seu sofrimento por fazer o que não aceita leva desde a dificuldades de relacionamento até o suicídio.

Existem alguns tratamentos que dependem inicialmente da própria pessoa perceber a necessidade de ajuda e procurar o acompanhamento de um terapeuta que vai tratar a sua grande ansiedade. A terapia é fundamental e busca as raízes do problema. Também é importante ingressar em um grupo de auto-ajuda no moldes dos Alcoólicos Anônimos, onde a troca de experiências faz com que o paciente aprenda mais sobre a dependência e como lidar com ela. Medicamentos também podem ser usados de uma forma sintomática, diminuindo a ansiedade, dando tempo para se ter os resultados da terapia. Sempre a participação do companheiro(a) é essencial para qualquer terapia, pois é com ela que ele mais convive, mais confia e que nos momentos de maior ansiedade pode, por meios aprendidos pelo tempo de convívio, aliviar e relaxar o parceiro. Ela deve estimular o tratamento pela terapia e deixar claro que pode contar com a sua ajuda e que espera com os bons resultados do tratamento poder curtir muitos bons e intensos momentos sexuais com muito carinho e afetividade.

Por CELSO MARZANO (extraido)

Texto extraido do Blog Meditando em Jesus

O OLHO DE DEUS

(Adaptado do texto de H. Dennis Fischer)
 
“Pois os olhos do Senhor estão atentos sobre toda a terra para fortalecer aqueles que lhe dedicam totalmente o coração” (II Crôn. 16:9)
O telescópio espacial Hubble tirou fotos da nebulosa Helix. Alguns astrônomos descrevem-na como “um túnel de gases reluzentes de trilhões de milhas de comprimento”. Ela está a 650 anos luz do nosso sistema. No seu centro está uma estrela em extinção que emite poeira e gases que se estendem ao longo da sua borda exterior. Fotos como esta, fazem parecer a íris azul de um olho humano completo, até com pálpebras. Por causa destas características, alguns a apelidaram de “O olho de Deus”. Opiniões a parte, a imagem transmite a beleza de mais uma das obras do Deus do universo.
Embora essa nebulosa não seja, num sentido literal, o olho de Deus, as escrituras dizem que Deus está observando as nossas vidas, conforme lemos acima nas palavras do profeta Hananias.
.
Essa proclamação, do olho de Deus que tudo vê, foi pronunciada porque o rei Asa, para garantir sua segurança militar, buscara apoio de um outro rei. Parece que este rei se esqueceu que foi o Senhor Deus que lhe havia dado no passado vitórias sobre os seus inimigos, e não simplesmente soldados (14:11-12). Essa deslealdade espiritual não passou despercebida de Deus, que preferencialmente, tem prazer em derramar bençãos ao povo que produz atos de obediência a Ele.
Embora ainda não possamos ver os olhos de Deus, podemos estar seguros de que Ele sempre nos vê. Muitos e muitos seres humanos, mais do que naquela época, até mesmo aqueles que são professos tementes a Deus, cometem o mesmo erro que Adão e Eva no jardim do Éden – tentam se esconder de Deus quando cometem algum tipo de desobediência (Gênesis 3:9-10). Neste jogo, quase que infantil de esconde esconde, o homem tenta se esquivar da sua própria desgraça, da sua própria morte, enganado-se a si mesmo, “jogando sua sujeira embaixo do tapete”, se esquecendo como fez o rei Davi ao adulterar (II Samuel 11:4), que Deus não perde a atenção em sequer um mínimo detalhe de nossas vidas.
Você tem consciência de que está fazendo algo que desagrada ao Senhor? Aquela voz que de vez em quando você ouve, que te chama a pensar lá no seu íntimo, que gostamos de chamar de intuição (Espírito Santo) lhe fala a mente nestas ocasiões? Você tem acariciado algum pecado de estimação? Saiba que Deus não deixará de amá-lo por causa disso, porque Deus ama o pecador. Mas saiba também que Deus odeia o pecado e que algum dia, um dia não muito distante, Deus destruirá aqueles que não querem se livrar deste “vírus”, porque o vírus só se torna doença, quando está com alguém.
REFLEXÃO: “Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons” (Provérbios 15:3)
 
 

Estão redescobrindo o Newton religioso

Por Michelson Borges
Um livro que acaba de chegar ao Brasil ajuda a revelar um lado surpreendente de Isaac Newton (1643-1727), pai da física moderna e responsável por formular a lei da gravidade, entre outras realizações científicas fundamentais. Nas horas vagas (ou, para ser mais exato, na maior parte do tempo durante sua maturidade), Newton se dedicava a um estudo detalhado, ponto por ponto, dos escritos atribuídos ao profeta Daniel e do Apocalipse, os dois livros bíblicos que mais versam sobre o fim do mundo. Para o cientista britânico, as duas obras eram guias precisos para a história do mundo até sua época e continham a chave para desvendar o que aconteceria no final dos tempos.

Os estudos apocalípticos de Newton estão na obra As Profecias do Apocalipse e o Livro de Daniel (Editora Pensamento), traduzida integralmente para o português pela primeira vez. As análises newtonianas coincidem apenas em parte com o que os modernos estudiosos da Bíblia consideram ser a interpretação mais provável das Escrituras. Mas não devem ser lidas como sinal de que o cientista tinha um lado “retrógrado” ou “obscurantista”, alertam especialistas. Pelo contrário: é bastante possível que a fé religiosa de Newton, e seu interesse por assuntos esotéricos, tenham facilitado suas descobertas.

“A gente tem de inverter a relação. Não é apesar de suas crenças religiosas e místicas que o Newton consegue dar o pulo do gato nos trabalhos sobre a gravidade; é justamente devido a elas”, afirma José Luiz Goldfarb, historiador da ciência e professor de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). “Os próprios estudos bíblicos de Newton já denotam uma sensibilidade mais crítica e moderna, uma tentativa de estudar as profecias de forma quase matemática, usando cronologias detalhadas.”

“A gente costuma deixar ciência e religião bem separadas, mas o fato é que os manuscritos de Newton, que chegam a 4.000 páginas, abordam principalmente esses estudos místicos e esotéricos”, conta Mauro Condé, professor de história e filosofia da ciência da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). “Com a morte dele, a Universidade de Cambridge e a Royal Society [principal sociedade científica do Reino Unido, da qual ele fazia parte], que tinham um modelo para o que deveria ser o trabalho científico, privilegiaram parte da obra dele e deixaram o resto vir a público de forma meio aleatória”, diz o pesquisador.

O livro em questão, publicado após a morte de Newton com base em suas anotações, é basicamente uma tentativa de desvendar o significado histórico das principais profecias do livro de Daniel (no Antigo Testamento) e do Apocalipse (livro do Novo Testamento que encerra a Bíblia cristã). Ambas as obras são caracterizadas pela riqueza de imagens simbólicas – animais, estátuas, chifres, trombetas – que funcionam como uma espécie de linguagem cifrada que o profeta propõe à sua audiência, e que às vezes é desvendada logo após a descrição das visões.

Newton, para quem Daniel “é um dos profetas mais claros para se interpretar”, traça uma série de correspondências entre as imagens proféticas e eventos reais – no seu esquema, por exemplo, menções a “dias” sempre se referem, na verdade, a anos, animais ferozes e poderosos correspondem a reis ou nobres, e assim por diante. Usando essa chave simbólica, o cientista se propõe a relacionar todas as grandes ocorrências da história mundial, do exílio judaico na Babilônia (a partir de 586 a.C.) à sua época, com as visões de Daniel e, em menor grau, com as de João, o autor do Apocalipse.

As duas principais visões do livro de Daniel se referem a uma estátua feita de vários tipos de metal precioso e não-precioso, e a uma sucessão de animais ferozes de aspecto sobrenatural. A interpretação tradicional (inclusive no interior do livro bíblico) é associar cada um dos metais e das feras a reinos que se sucederiam até o fim dos tempos, quando Deus salvaria seu povo e instauraria seu domínio sobre o mundo.

No caso da estátua, temos os metais ouro, prata, bronze, ferro e argila misturada com ferro; para Newton, a correspondência é com os impérios da Babilônia, da Pérsia, dos gregos de Alexandre Magno e de Roma; “ferro e argila” misturados significariam as nações européias oriundas do território fragmentado de Roma, fundadas a partir de reinos bárbaros. Um esquema semelhante é aplicado aos animais ferozes; Newton aproveita o fato de que um deles tem dez chifres para associá-lo aos dez reinos bárbaros europeus fundados após a queda de Roma.

Após esses dez chifres, surge mais um, “menor, e três dos primeiros foram arrancados para dar-lhe lugar. Este chifre tinha olhos idênticos aos olhos humanos e uma boca que proferia palavras arrogantes”, diz o profeta. Newton afirma que esse chifre arrogante é a Igreja Católica, que havia se tornado um império ao adquirir vastas extensões de terra na Itália durante a Idade Média. O cientista traça a interpretação porque o livro de Daniel diz que o novo chifre “perseguia os santos”.

Fortemente anticatólico, Newton associava a Igreja à promoção de práticas vistas por ele como demoníacas, como a adoração dos santos, bem como à perseguição dos verdadeiros cristãos. Para ele, a Igreja Católica também pode ser identificada com a Besta do Apocalipse, representada pelo número 666. Em seus cálculos, Newton dá a entender que o fim do mundo viria após a reconstrução do templo de Jerusalém, em torno do ano 2400 – mas se abstém de apontar um ano específico.

Apesar do esforço interpretativo de Newton, poucos estudiosos atuais do texto bíblico vão concordar com sua análise. Para começar, enquanto o físico considerava que o livro de Daniel tinha sido escrito no século 6 a.C. pelo profeta do mesmo nome, o consenso moderno é que a obra é tardia, de meados do século 2 a.C. – relatando, portanto, muitas coisas que já eram passado no tempo do profeta antes de se dedicar à profecia propriamente dita. [Essa idéia de teólogos liberais está longe de ser consenso. Newton, mais uma vez, estava com a razão.]

Assim, Roma e a época cristã nem seriam mencionadas em Daniel: o profeta estaria falando apenas dos reinos sucessores de Alexandre Magno que lutavam pelo controle da terra de Israel naquela época. “Seriam, portanto, profecias depois do fato”, escreve Lawrence M. Wills, professor de estudos bíblicos da Episcopal Divinity School (Estados Unidos). De acordo com Wills, o chifre perseguidor dos “santos” representa, mais provavelmente, o rei sírio Antíoco Epífanes (morto em 164 a.C.), e não tem relação alguma com a Igreja Católica. [Antíoco Epifânio nem de longe cumpre a profecia, como Newton bem percebeu. Clique aqui e descubra por quê.]

Tudo isso pode soar um bocado estranho para os que estão acostumados à separação moderna entre ciência e religião, mas José Luiz Goldfarb vê indícios dos interesses bíblicos de Newton na própria formulação da lei da gravidade. “No hebraico bíblico existe a palavra makom, que significa ‘lugar’. Mas, com a evolução do pensamento rabiníco, ela passa a designar a própria divindade. O Newton cita essa palavra em seus escritos, e parece ter usado o conceito para explicar como a gravidade atuava à distância – como a gravidade do Sol pode atrair a Terra, por exemplo. É como se entre o Sol e a Terra houvesse um makom, que é Deus, o qual está em todos os lugares”, diz o pesquisador.

Goldfarb ressalta que Newton é só mais um exemplo de patrono da ciência que tinha suas idéias “fertilizadas” pelo pensamento místico de sua época. “Os dois campos se falavam e se influenciavam muito”, diz. A crença monoteísta (num Deus único), se vista como um todo, também pode ter sido uma influência positiva nos primórdios da ciência e da filosofia, de acordo com Mauro Condé.

“O monoteísmo nos parece simples, mas já exige uma forma de pensamento mais sofisticada e abstrata”, diz ele. “E a busca por essências da natureza, por leis ordenadas, é uma coisa que Newton compartilha com filósofos como Platão. Isso foi incorporado na teologia cristã desde o começo”, afirma Condé.

(G1 Notícias)

Leia também: “O berço da ciência” e “Isaac Newton: cientista e teólogo”

Por Michelson Borges

Acabei de ler As Profecias do Apocalipse e o Livro de Daniel, de Isaac Newton (Editora Pensamento). É uma obra fascinante e indispensável na biblioteca de todo cristão e dos estudantes universitários, em particular. Apesar dos detalhes históricos exaustivos e dos vários trechos em latim não traduzidos, o livro revela a clareza do raciocínio do grande cientista inglês aplicado ao estudo da Bíblia. Os adventistas do sétimo dia ficarão especialmente impressionados ao perceber a semelhança do entendimento profético de Newton (um verdadeiro historicista) com a compreensão profética da igreja – com algumas divergências, naturalmente. Aqui e ali, espalhadas pelas 224 páginas da obra, há pérolas como estas:

“A autoridade dos imperadores, reis e príncipes é humana; a autoridade dos concílios, sínodos, bispos e presbíteros é humana. Mas a autoridade dos profetas é divina e compreende toda a religião” (p. 26).

“A predição de coisas futuras refere-se à situação da Igreja em todas as épocas: entre os velhos profetas, Daniel é o mais específico na questão de datas e o mais fácil de ser entendido. Por isso, no que diz respeito aos últimos tempos, deve ser tomado como a chave para os demais” (p. 26).

“Rejeitar suas [de Daniel] profecias é rejeitar a religião cristã, pois que essa religião está fundada nas profecias a respeito do Messias” (p. 33).

“Pela conversão dos dez reinos à religião romana, o Papa ampliou o seu domínio espiritual, mas não se destacava ainda como um chifre da besta. Foi o seu poder temporal que o transformou num dos chifres. Esse poder foi adquirido na segunda metade do século VIII pela conquista de três daqueles chifres (…) Então, alcançando o poder temporal e um domínio acima de qualquer judicatura humana, o seu aspecto se tornou mais majestoso do que o dos outros chifres. Daí por diante, os tempos e as leis foram entregues nas suas mãos por um tempo, e dois tempos e metade dum tempo, ou seja, três tempos e meio, isto é, por 1.260 anos, desde que se considere como um tempo o ano calendário de 360 dias, e um dia como um ano solar” (p. 88).

Nas páginas 99 e 100, Newton deixa claro o porquê de o “chifre pequeno” não poder ser Antíoco Epifânio, como querem alguns. E arremata: “O próprio Cristo nos diz que a abominação da desolação, a que se refere Daniel, se instalaria nos dias do Império Romano (Mt 24:15).”

Sobre a confiança que Newton tinha nos Evangelhos, ele escreveu: “Temos assim, comparando os Evangelhos de Mateus e de João, a história da ação de Jesus de modo contínuo, durante cinco Páscoas. João é mais preciso no começo e no fim; Mateus, no meio. Aquilo que um omite, o outro registra. (…) Temos assim, nos evangelhos de Mateus e de João, todas as coisas contadas na devida ordem, desde o começo da pregação de João até a morte de Cristo” (p. 119, 121).

Revelação interessante esta: “Deleitavam-se os pagãos com os festivais dos seus deuses e não estavam dispostos a renunciar àqueles deleites. Assim, no propósito de lhes facilitar a conversão, [o papa] Gregório instituiu festas anuais aos santos e aos mártires. Eis porque, para enfraquecer as festas pagãs, as principais festas cristãs tomaram o seu lugar. (…) Foi esse o primeiro passo da religião cristã [católica] em direção à veneração dos mártires. Embora ainda não fosse uma adoração ilegal, predispôs os cristãos à veneração dos mortos, o que em pouco tempo se transformou em invocação dos santos. (…) O passo seguinte nessa invocação foi atribuir ao corpo, aos ossos e a outras relíquias dos santos o poder de operar milagres por meio das suas almas, que supostamente sabem o que fazemos ou dizemos e podem nos fazer o bem e o mal” (p. 151, 153).

Sobre o Apocalipse, Newton escreveu: “Tendo assim estabelecido a época em que deve ter sido escrito o Apocalipse, não preciso falar muito da sua autenticidade, já que estava tão em voga nos primeiros tempos que muitos tentaram imitá-lo, forjando apocalipses sob o nome dos apóstolos. E os próprios apóstolos, como já mencionei, o estudaram e citavam as suas frases” (p. 178).

“Se a pregação geral do evangelho está se aproximando, é a nós e à nossa posteridade que as seguintes palavras pertencem: ‘…todos os maus ficarão sem compreender. Os que são esclarecidos, porém, compreenderão. Feliz o leitor e os ouvintes das palavras desta profecia, se observarem o que nela está escrito.’ (…) A realização de coisas preditas com grande antecedência será um argumento convincente de que o mundo é governado pela Providência” (p. 180).

Eu já era fã desse que é um dos maiores cientistas de todos os tempos. Depois de ler esse livro, minha admiração só aumentou. Newton era também grande teólogo.[MB]

Leia também: “Estão redescobrindo o Newton religioso”

No ultimo fim de semana, saimos para a praia em um grupo de 49 pessoas dentre as quais 42 já passaram dos 55 anos. Esse foi um dos passeios mais divertidos e emocionantes que eu fiz nos ultimos meses.

Todos se divertem sem medo do que os outros vao achar de sua aparencia ou do que vao dizer de suas atitudes. Riem uns das atrapalhadas dos outros, as vezes ate chega a ser uma verdadeira comedia da vida real. Choram juntos se emocionam e emocionam os de fora.

Vou contar apenas um pequeno episodio acontecido no passeio. Omitirei alguns detalhes para preservar esses meus amigos preciosos.
No domingo o sol apareceu timidamente, mas ja foi mais do que suficiente para as “garotas” se divertirem um monte.
Em determinada ocasiao estavam todos na agua e duas senhoras pulavam ondas de maos dadas uma de frente para a outra. Quando de repente…. a dentadura de uma delas caiu na agua. E onda vai onda vem a dentadura desapareceu. Em meio a risos e lagrimas a solidariedade desabrochou. De maos dadas os quarenta e dois idosos fizeram um arrastao em um perimetro de 500 metros com a esperança de encontrar a dentadura da colega, mas…todo esforço fora em vao.
Ja no horario de almoço resolvemos voltar para o alojamento, e a pobra desdentada continuava a procura da dentadura. Ela se lamentava: _ No proximo sabado terei um casamento de uma sobrinha. O que farei?
Percebendo a preocupaçao da amiga, os demais resolveram juntos fazer uma vaquinha para garantir que ela estivesse com os dentes na boca antes de sabado.
Em pouco mais de uma hora arrecadamos R$350,00. E mais conseguimos um especialista para fazer o implante de graça. Na segunda feira ela foi até o consultorio dele tirou o molde e tudo foi feito com muito capricho. Na quinta a noite no horario da nossa reuniao semanal ela apareceu
um pouco atrasada, chegou timida com a mao na boca chamando a atençao de todo o grupo que vei de encontro a ela para recebe-la. Entao pronunciou as palavras com a mao ainda sobre a boca:
_ Vim agradecer…
E com um sorriso enorme ela completou:
_ pelo meu sorriso novo.
E assim emocionou a todos novamente.
A dentadura Original Italiana ficou perfeita, bem mais bonita do que a que ela tinha. Com o ceu da boca transparente, os dentes exatamente da cor dos poucos dentes dela.
A alegria estava estampada no rosto dela e de todos os demais que haviam contribuido para isso.
Esse tipo de companherismo e solidariedade não se ve por ai todo dia.
Eu orgulhosamente posso dizer que faço parte desse grupo.

MINISTERIO IDADE DE OURO – IASD CENTRAL MARINGA

Adventistas do Sétimo Dia (ASD) têm sido objeto de muitos estudos epidemiológicos. Os resultados dos mesmos sugerem fortemente que os ASD estão vivendo mais por seguirem certos princípios dietéticos herdados a partir de suas crenças religiosas, como vegetarianismo, ênfase no consumo de grãos integrais, frutas, hortaliças e abstinência de tabaco e álcool. Este artigo discute os resultados de um grande estudo epidemiológico conduzido com a população ASD californiana que evidencia as vantagens dos vegetarianos no alcance de maior longevidade e de menor risco de câncer e doença cardíaca quando comparados com californianos não-vegetarianos. Adventistas vegetarianos californianos tendem a ser menos obesos, bebem menos café, comem mais leguminosas e produtos à base de proteína vegetal. Além disso, exercitam-se com maior regularidade. Tanto a ausência de carne quanto a adição de frutas, castanhas e hortaliças parecem exercer uma grande influência na prevenção de câncer e doença cardíaca, bem como no aumento da longevidade.

Os ASD constituem um grupo religioso protestante que inclui cerca de [15] milhões de membros ao redor do mundo, com um total de 1.267.015 residentes no Brasil e 939.091 nos Estados Unidos da América (EUA), representando respectivamente o primeiro e segundo lugares na estatística da igreja (Seventh Day Adventist Church, 2005).

A experiência de saúde da população ASD tem sido estudada por pelo menos 51 anos. Existem mais de 300 artigos científicos abordando estudos sobre a saúde dos ASD publicados em periódicos científicos da Dinamarca, Holanda, Noruega, Japão, Austrália, além dos bem conhecidos estudos da Universidade de Loma Linda, Califórnia, EUA (Fraser, 2003a).

Evitar a carne e enfatizar o consumo de frutas, hortaliças e castanhas na dieta faz parte das crenças dos ASD, assim como a abstinência do uso de tabaco, álcool e a prática regular de atividades físicas. Para o propósito de investigações epidemiológicas, o uso ostensivo de tabaco, o consumo de álcool e de dietas com alto conteúdo de gordura pode confundir ou modificar os efeitos de outros fatores, dificultando o estudo. Na população adventista, essas características consideradas fatores de confusão estão praticamente ausentes, facilitando a observação de outros fatores. Esse aspecto aliado à ampla variedade de hábitos dietéticos que vão desde o vegetarianismo estrito até a dieta americana usual, tornam a população de ASD particularmente atraente para a investigação de doenças relacionadas aos hábitos alimentares.

Os resultados discutidos neste artigo foram tomados a partir do Primeiro Estudo Adventista de Saúde (Adventist Health Study-1, AHS-1). O AHS-1 (Beeson et al., 1989) constituiu uma investigação prospectiva que começou em 1974, projetada com o objetivo de verificar quais componentes do estilo de vida adventista oferecem proteção contra doenças. Inicialmente o AHS-1 focalizou o câncer; em 1981, o componente cardiovascular foi adicionado.

(Nutrição em Pauta)

Nota: Publicações como a National Geographic e jornalistas como a Ana Paula Padrão também tiveram a atenção despertada pela longevidade dos adventistas que praticam o estilo de vida recomendado pela Igreja. Por enquanto, quem mais se destaca são os adventistas californianos. Bom seria que todos os adventistas (inclusive aqui no Brasil) chamassem mais a atenção das pessoas e da mídia por seu estilo de vida saudável.[MB]
Postado por Michelson às 9:58 PM